quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Quando é chegada a hora...



e... tantas e tantas vezes, fui chamada...
e ...por muitas vezes, recusei.
Sabia que me entendiam, eu não estava pronta.
Não era a minha hora, eu esperei.

e... tantas e tantas vezes, me permitiram participar.
e... tantas e tantas vezes, me orgulhei.
e... muitas vezes, sorri, assim como chorei.
e... tantas e tantas vezes, eu quis, mas esperei.

e... tantas e tantas vezes, me senti de lá.
e... tantas e tantas vezes, me afirmaram, que eu era de lá.
e... multiplicaram, triplicaram as vezes que, estar naquela casa, acalentava meu coração.
e... tantas e tantas vezes, eu disse não.

e...tantas e tantas vezes, me entenderam.
e...tantas e tantas vezes, me aceitaram como eu era.
...então... chegou a minha vez, a minha hora, não titubeie.
...assumi meus direitos, agarrei minhas obrigações.

e... então... firmam-se os ensinamentos, abro mão da razão.
Não saio desta vida, sem essa realização.
Tive a oportunidade, agarrei, fiz minha opção!

Obrigada, muito obrigada à este circulo, que me deu a mão.
Obrigada, por mais mil reencarnações!!!


Cristiane, mexida!

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Resumindo.


Ousaram me dizer, não vá.
Não se aborreçam comigo ou, se aborreçam.
Sei lá.
Não se iluda, isso não tem nada a ver com você!

Até porque o não ir, não me cabia.
Não me era opção, ironia.
Eu não estou pra brincadeira.
Eu não estou pra galhardia.

Quando eu quero, eu tomo de assalto.
Não peço licença, nem mesmo imploro.
Levo algum tempo, isso é fato.
Caso eu caia, será sempre no salto.

Pago meu preço, divido, parcelo, penduro.
Eu choro, blasfemo, engulo.
Não corro das responsabilidades.
Nem sempre com resultados positivos.
Ousar é meu vício.

Cristiane, no dia não.



terça-feira, 26 de novembro de 2013

Vida minha!



Vou de pouco, vivendo bem de pouquinho.
Nem sempre sou regra, quase nunca exceção.
Falar de mais é vicio, obsessão.

O exercício desafiador é executar.
Cumprir o que foi dito.
Viver das minhas verdades.
Seguir meu manuscrito.

Não sei rascunhar a vida.
Me dói um pouco mais, porque vivo ela já passada à limpo!
As vezes dói tanto, que chego a não ter tempo de me orgulhar disso.
Muito prazer, é assim que eu vivo.

Minhas verdades, são só minhas.
Todo e qualquer erro meu, são os meus acertos.
Porque certo mesmo é tentar, persistir, perseverar.

Hora estou cheia, transbordada, entupida.
No momento seguinte, me falta de um tudo.
Chega a me faltar, animo, vida.

Nem tudo caminha à contento.
Nem tudo é como eu queria.
Mas não há acalento maior, do que saber, que foram...
... escolhas minhas.

Cristiane, tirando lições da vida.


quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Música pra mim....


Ele ia fazer uma música pra mim.
Algo que  pudesse me  lembrar.
Transcrever, decifrar, resenhar-me.
Algo que eu não esqueceria.
Uma música pra mim.

Logo de partida, senti sua dificuldade.
Bem no comecinho, ele entendeu minha dualidade.
Porém o propósito estava firmado.
Ele ia escrever pra mim.
Uma música pra mim.

Queria me cantar...
Quem sabe, me seduzir.
Talvez nada disso, somente...
Uma música pra mim.

Desejei mil vezes, dar palpites, mas fiquei quietinha.
Estava gostando de ver-me traduzida em notas, em poesia.
Ele rabiscava, cantarolava, batucava na mesinha.
Uma música pra mim.

Eu o olhava e sorria.
Ele comentava que, meu sorriso tinha  melodia.
Que meu jeito de chegar, lhe bastava, lhe cabia.
Uma música pra mim.

Em meio a tantos arranjos, um bom tanto de carinho.
Escolhas de instrumentos, escambo de olhares...
... eu me perdia.
Uma música pra mim.

Cristiane, musicamando.



sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Muito Prazer!



Depois de Uberlândia, não sei o que se deu.
Fui mordida por uma euforia.
Presenciei uma roda da pesada, talvez ali eu tenha começado a entender a citação...
...Paulada na moleira.

Tinha gente de todo lugar...
Terreiro de Compositores, Terra Brasileira.
Mauá representando geral, Olaria e mais uns tantos que eu nem conhecia.

Por curiosidade, de brincadeira.
Eu cheguei quietinha.

Demorei pra entender, estava entre os Amigos do Samba.
Me  apresentaram um passado de Glorias e gloriosos.
Um passado, que vive hoje no meu presente.

Quanto ao samba, eu sempre tive o pé lá.
Hoje, estou mais inteira nele.
Sou toda agradecimentos, por me absorverem.
Sou samba, corpo, alma e mente.

Cristiane, agradecendo Flavia Chagas, pela apresentação.


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Falo!



Falo de amor, como quem o faz.
Com intensidade, com vontade, pedindo mais.

Ouso falar de amor, com vários timbres de voz.
Hora sussurro, hora me esgoelo.

Falo de amor arrepiando, de lábios e olhos serrados.
Em alfa, beta e cama.

Falo de amor, da mesma forma que amo.
Em alguns momentos com ódio, outros tantos poetizando.

Cito excesso na falta, escassez no transbordo.
Nada me satisfaz, até que me  chegue o gozo.


Cristiane, hoje falando.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Incógnita.



O que é que tenho, que te intriga?!
Intriga?
Horas me mostro com dualidade.
Mexida.
Outras tantas, tão individual.
Sorrio, isso pra mim é normal.

Deixo no ar, afirmações  dúbias.
Me encanta, palavras bem colocadas, com duplo sentido.
Me excita, o dito pelo não dito.
Tenho uma certa queda, pelo mau feito, pelo indevido.

Que se nada disso for verídico.
Fica o questionamento, um meio caminho andado, para o improviso.
Sou tantas ...,não me cabe rótulos.
Não perca seu tempo comigo.
Acredite somente, no que lhe digo!


Cristiane, decifra-me ou te devoro!

Ainda me lembro.



Tenho estas baixas.
Dou estas alterações.
Vasculho-te.
Sabe-se lá, porque?!

Inacreditavelmente...
..tem dias que não lembro, quem  foi você!?

Em uma constante da vida, sinto-me forte, refeita, florescida.
Não é raro, o passado não interferir, nas minhas novas feridas.

No entanto tenho, recaídas.
Nem preciso de motivos espessos.
Que dirá, palpáveis.
Eu os alimento, cultivo, rego e colho.
Eles tem cada vez mais, peso.

Estranho é que...
Quase nunca me lembro.
Quase nunca sofro.
Quase.
Nunca!

Cristiane, quase...


terça-feira, 29 de outubro de 2013

Malandro, nem tanto assim.


Hora destas, te dobro.
Te coloco no bolso.
Te faço miudinho.
Vai ser como eu desejar.

Vais me contar, de um tudo.
Vais me fazer, de um tudo.
Tudo e mais um tantinho...
Eu mando e tu executarás.

Vou te pegar desprevenido.
Não vou ligar, para seus gemidos.
Vais me entregar, até teus amigos.
As senhas, seus caraminguás escondidos.

Vou ser firme contigo.
Vou  conseguir te enrolar.
Nesse ínterim, terá uma felicidade tamanha.
Um completo realizar, vais achar que é sonho.

Então...darei o golpe final.
Só terás olhos, pra mim!
Só a mim te entregarás!!!

Cristiane, malandramente ameaçando

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

VIRAR UM POEMA UM DIA

( Recebido de um amigo/irmão)


Eu queria me ler um dia, através de você, mas você só escreve você?

Eu queria me ver através da sua ótica, saberia se teu sorriso é pra mim ou de mim!

Mas você é egoísta e só te vejo nos seus poemas, sinto inveja dos personagens que te acompanham.


Sei que escreve seus desabafos, seus amores loucos, roucos, poucos.


Dentre seus amores sei que também sou, pois amor cabe também um amigo fiel ai dentro, afinal esse coração é um palacete fantástico!


Vou esperar, pois como diz o ditado: água mole em pedra dura, tanto bate até que fura? Pois então?
Mas olha que coisa, eu pensei em me escrever, só pra me vingar de ti e, olhando meu texto, quem é que eu vejo? Você!


Como posso pedir pra você me escrever se eu mesmo escrevo você?


Tudo bem vai, seja na caneta ou no teclado, o importante é ser de fato o relato! Afinal deste texto eu fui o fato e você? Ah você foi o relato.


Paz e Luz!

Billy da Nove

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Irmãos de outra vida.


  
Eu  te avisei...
Eu não sei fazer, samba!
Eu não sei fazer, poesia!

Mas o que você não sabia...
...é que eu sou expert em escolher sempre as melhores companhias.

Eu seleciono, eu olho no olho, eu vasculho corações.
Pasme... sou doutorada em emoções.

Que surpresa mais grata, após quase um ano ameaçando te conhecer.
Me chega, você!
Me chego, em você!

Nem penso em contar tempo, gosto de contar alegrias.
São tantas risadas, tantas confidências, muita sabedoria.
Poderiam ser muitos anos, mas são dias!

Somos irmãos, de outra vida.
Deus é bom comigo...
Somos bambas...ele sabe...
Porque, não nos juntaria?!

Cristiane, ainda tendo o que dizer...



quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Efeito ...vivo...




Sei, já foi assim.
Eu, pensar em você o dia todo e você, não esquecer de mim!
Mas me diga, o normal não seria, diminuir?

Hoje você me ligou, já sorri quando atendi.
Parece que o tempo não passou.
Aparentemente nem dormi.

O bem querer não aplacou.
O bem que você me faz, não acabou.

Passou-se anos e ainda, sinto a mesma falta.
Sinto o mesmo, bem estar.
Me vem, casos de ontem em mente, tudo quero lhe contar.
Tudo quero dividir, quero sua opinião para me acrescentar.

O bem querer não aplacou.
O bem que você me faz, não acabou.

Pasmo com esse nosso sentimento de saudade, mútuo.
Gosto quando me elogia, quando me causa essa sensação...
Quando me trazes esta energia.
Por mim falava o dia todo, por mim não desligaria.

Cristiane, desligando por desligar.



segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Pouco.


Ando escrevendo pouco, bem menos.
Anda me faltando paixão...
Mas quando não...

A escrita me vem, eu sinto, ela vem.
Sem concentração, sem encomendas, simplesmente vem.
Me pega despreparada, desinibida, desarrumada.

Vivo, amo, sofro e escrevo.
Vivo, de amar.
Amo, pra viver.
Sofro, com medo de acabar.
Escrevo, na ânsia de tentar fazer valer.

Quando descrevo ...meu amor.
Parece que vou fazê-lo eterno.
Tenho a impressão que amenizo o sofrer.
Fortifico o viver.

Ando aos poucos...
Pouco, amo!
Pouco, escrevo!

Cristiane, aos pouquinhos..


Movimento dos Com Saudade!



Não agüento mais escrever sobre a saudade.
Mas também não à agüento mais.
Ela insiste em fazer morada, por aqui.
Invade, toma-me e faz alarde.

Não chega quieta, não chega mansa.
Chega com cartazes, colocando fogo...
Fazendo barricadas...

Aloca-se, coloca-se.
Instalada, ameaça-me com usocapião.
Grita seus direitos, acusa-me com meus deveres.
Não há quem a faça ter medo, da desocupação.

Tem grito de guerra.
Bandeira com logotipo.
Tem me maltratado.
Tenho sofrido!


Cristiane, saudosa. 

Falta inspiração.


Acordei sem querer escrever!
Mas já que acordei...
Já que...
Acordei.

Sem vontade de nada!
Vontade...
Nada...

Introspectiva em alta potência.
Querendo ficar quietinha.
Faltando-me resiliência.

Vou seguindo em linhas.
Indo contra  esse excesso de monotonia.
Brigando com a mesmice.
Escrevendo por teimosia.


Cristiane, segundando.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Não sei fazer samba!




Não me venham encomendar, sambas...
Isso é coisa de vocês, coisa de nego veio, coisa de gente bamba.
Isso é para quem tem categoria, estudo, interesse ou ginga de quem nasceu na Bahia.
Eu tremo só de pensar, vai que alguém me lê e cisma de me cantar.
Acho que não aguento.
Vou danar a chorar.

Alimento muitos sentimentos pelo samba,
aqui sobra emoção, um tanto bom de observação...
Transborda admiração...
Mas caço e não acho cadencia, falta-me competência...
Para descrevê-lo em canção.

Ai de mim, ser partideira, ser compositora de pauladas na moleira.
Quem me dera, conseguir por no papel, fazer virar música, essa minha devoção por Paulo, Xangô e Noel.
Que Sá...fazer alguém sambar, cantar e sentir o amor que eu até hoje, não soube explicar.  

Cristiane, não se sentindo apta!



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Silencio.




O teu silêncio, fala à mim.
Hora grita, hora me segreda injúrias.
Me anula.

O Teu silêncio, incomoda-me.
Falta-me, tantas coisas.
Sinto-me exposta, nua.

O Teu silêncio, tortura-me.
Desejo respostas, aos questionamentos que ...
...jamais  fiz.

O Teu silêncio tira-me, o sossego.
Faz com que eu ande em círculos.
Perco meu equilíbrio.

O Teu silêncio, não me faz esquecer-te.
O Teu silêncio, lembra-me você!
...e
...eu,
Silêncio, Teu.


Cristiane, em silêncio. 

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Samba...



`... Sambo com as mãos nas cadeiras...
Como antigamente sambavam, minhas tias lavadeiras.
Sambo para tornar minha vida, mais  leve...
Mais faceira... `

O samba tem me vivido!

Talvez, não seja o fato de arrastar meus pés, pelo chão batido.
Nem mesmo, pelo asfalto comido.
É... certamente, não é isso.
Tem vezes que só minha alma baila, eu nem me mexo...
O samba é que mexe comigo.

Nem mesmo, minhas tantas constatações de falta de cadência.
Nem  o tal ritmo que nem sempre me chega, no momento propício.
Tenho,  outras tantas coisas que me levam ao samba, tem outros tantos sentimentos...
... O samba pra mim hoje, é vício.

Tenho lá motivações, resquícios de um DNA, que poderiam justificar isso.
O notório, é que vou além .
Possibilito-me contato e uma atenta audição, aos novos compositores.
Eu chego e me permito, ficar feliz com sambas antigos, que ainda hoje são tão atuais, tão vívidos.

O Samba não me cobra nada, existe uma troca...
O Samba me abastece...
Eu o propago...
Tenho vivido disso!

Cristiane, tentando decifrar sentimentos.



terça-feira, 24 de setembro de 2013

Presente do Passado.



Não.. eu não esqueci.
Das injurias lançadas, da difamação largada.
Do dedo em riste, das comparações desnecessárias.

Tem uma outra coisa, que eu também não me esqueço.
De ser eu mesma, quando sou eu a me mostrar.
Não há ensaios, só sei viver ao vivo.
Momentânea!

Curioso é que também me lembro, de outros artefatos.
Das gentilezas e dos elogios rasgados.
Da troca que aparentemente era verdadeira e do ceder quando se achava necessário.
Maquiado?


Cristiane, com algumas lembranças.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Florescer atrasado.



Atrasei-me...
Ainda estou no processo do plantio.
A primavera chegou, sinto-me em débito.

Não sei ao certo em que momento, errei.
Qual foi a bobiada, a bambeada.
Sei que me atrasei.

Existem regras, que não devem ser quebradas.
Eu devia estar colhendo...
Mas...
Ainda...
Pranto!


Cristiane, aguando.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

...Ice!




Não me venha com as suas esquisitices
Seus ataques de histeria
Suas meninices...

Seus rompantes histéricos.
Todos esses alardes e suas  inúmeras
Cretinices.

Estou farta dos seus, achismos  freqüentes.
da sua mesmice.

Vire a página
Troque o livro.
Avalie-se.


Cristiane, um tanto cheia.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Falando amor.



As minhas cartas de amor, tem frente e verso.
Com freqüência, mais versos.
Algum peso, mas me fazem leve.

Sei, sempre tenho muito à dizer.
Conseqüência, do nosso muito vivido.
Que Sá... do meu muito sofrido.

Sim, muitos pesares, mas inevitavelmente...
Inúmeros suspiros.
È tanto sentimento, devéras sentidos!

Falo sobre o meu amor, como quem declama...
Florbela Esperança.
Abertamente, sem pudores, sem maquiagem.

Vivo os meus amores, da forma que aprendi.
Da maneira que desenvolvi.
Como amada fui, amada me mostro.

Cristiane, amando e amargando.




sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Indo Clara...


Não tardo, vou num pé e volto noutro.
Já estive lá, mas toda vez que vou, é como se fosse a primeira de muitas.
Tenho cá pra mim, moro lá, mas visite-me aqui.

Da ultima vez, era de suma importância minha presença.
Desta vez, existe a necessidade de lá estar.
Sinto que vou e volto CLARIADA.

Vou lá, cantar até ter a voz embargada, pelos sentimentos que levo daqui.
Vou dançar descalça, girar sem compromisso com graus.
Pular, sem dar a mínima à altitude e latitude.

Antes aqui, vou seguir um nobre conselho...
Vou me banhar de manjericão...
Pra quando lá estiver...chegar tão livre...
Tão solta, que nada de ruim possa fazer de mim sua morada.

Não sinta por mim, eu volto logo...
Porém renovada.

Cristiane, indo homenagear Clara Nunes.




segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Aflorada...



Já sinto novos cheiros, velhos perfumes.
Não tarda a chegar  o equinócio.
Penso em aproveitar essa aflorada...
Correr e viver o máximo que eu puder.
Porque é dito que o Solstício, é fato.

Quero exalar flores...
Fazer desta primavera austral, algo, meu diferencial.
Plantar e ver florir.
Se ocorrer de chorar, tudo bem.
Porém, o intuito é sorrir.

Existem diversos desejos.
Mas antes, existiu preparação.
Eu me reservei...
Me preservei...
Creia, adubei-me

Cristiane, inspirando Setembro.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Mais para hoje.



Quero pular etapas, queimar a largada e não ser desclassificada.
Quero ser favorecida, ter meus anseios atendidos,  não me prender nas dificuldades da vida

Ouço dizer por aí...
... que menos é mais, mas hoje eu quero é mais.
Quero começar pelo topo...
... quero o maior pedaço do bolo, aceito a garrafão todo.

Dizem que pouco com Deus é muito...
... comigo hoje pouco é pouco.
Quero o todo, não me venha com partes...
... quero tudo, os brindes,  o bônus, as sobremesas, as entradas.

Poupe-se de me fazer crer...
... que tudo inicia-se pelo começo.
Quero o fim, o primeiro lugar do pódio...
... aplausos e floreios.
.

Não estou interessada nos meios, quero inteiro.
Não é opção, premio de consolação.
Por favor, para hoje dose dupla, combo, não me venha com porção.

Cristiane, não aceitando unidade, preferindo a caixa.


quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Esclarecendo.


O fato de mostrar-me como sou, tem muito mais a ver comigo, do que com você.
Confio nas minhas verdades, não me resta tempo de desconfiar da sua sagacidade.

Preocupo-me com a transparência, existe uma preguiça iminente em mim.
Ficar pensando, no que você poderia achar me cansa, só de imaginar.
Fadigo, mostro-me e deixo pra lá.

Podia maquiar, mas opto por me abrir, escancarar.
Fica quem quiser ficar, pensam assim, mas a realidade é...
Já inicio selecionando, o que você não percebe é que desta forma a ratoeira não trava.
Proposital.

Creia, a questão não está em quem eu sou, mas na
...sua falta de tato e perspicácia, da conclusão.
Não se gaste, não me compare, não tenho comparação!

Cristiane, ardida.


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Algo com você!


Tenho algo com você, que nem mesmo estudos afincados, puderam me responder.
Sei que nem se preocupa, mas eu chego a perder noites de sono, decantando isso.

Recorri à ciência, física quântica e até a prova dos nove.
Nada me dá resultados, nada resolve.
Já na literatura, encontro alguns exemplos, quase sempre desventuras.

Tenho algo com você, algo que certamente você não tem comigo.
Sei...
Entendo...
Bastante ambíguo.

Existe algo no ar, diria até algo que colocaram em minha bebida.
Algo que me mantem, entorpecida.
Quando a saudade aperta, minha língua enrola, minha visão fica distorcida.

Tenho algo com você, diriam os incrédulos, impossível.
Algo que quanto mais desentendo, mais presa à ti me sinto.
Quando me perguntam se ainda te quero, minto.

Cristiane, mentindo

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Plano A




Então... deixemos como está.
Eu aqui, você acolá.

Burlar a situação, não é do nosso feitio.
Não aceitaríamos que nosso conhecimento, sobrepusesse-se aos nossos sentimentos.

Pelo pouco que te conheço, pelo muito que te desconheci.
O desafio de deixar o destino agir, combina mais contigo.

Vamos sossegar se possível for, ao menos tentar.
Acreditar na conspiração, até na manifestação do universo.

Vamos nos limitar a cruzar os dedos, pra que tudo dê certo.
Que o certo seja, eu com você...não importando, quando, onde e nem porque!

E...se após todo esse esforço, para  apaziguar nossa intriga e libido, os nós não se desatarem.
Passemos ao plano B, beije-me e pensamos em algo mais tarde.


Cristiane, adorando um certo plano B.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Dias gélidos



Não fosse o tempo colaborando, não saberia como me definir.
Faz-se frio em mim.

Há que se ter algo à se apegar, desculpas à dar.
Sinto-me fria.

Entro-me e esse imenso vazio, faz com que o vento circule.
Circunde-me.

Ventania, das devastadoras, daquelas  chegadas do leste.
Tornados em espiral.
Leva-me tudo, que me dera a dor, esse mau.

Em vão, tento aquecer-me, de dentro para fora, zero grau.
De fora para dentro, oco sentimental.


Cristiane, gélida.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Adolescência tardia.


 

Estou apaixonada.
Só pode ser, é uma inquietação sem medida.
Uma hora tudo está tão rosa, depois bem cinza.

Toda hora, tenho que afastar você dos meus pensamentos.
Balanço a cabeça, como se estivesse te derrubando da minha mente.

Um “ oi “ seu, abre um leque de possibilidades em mim.
Crio situações, rebusco palavras, evito palavrões.

Leio, viajo, converso, mas só você é meu assunto, só você é minha manchete.
Por mim, ficava o dia todo olhando sua foto, te adjetivando.

Acho que o processo agora é aguardar.
Se bem me lembro...funciona assim:
Vai levar mais um tempo.
Vamos nos beijar.
Eu vou pra cá.
Você pra lá.


Cristiane, tentando lembrar como é!

Entregue




Vou tentar não tomar decisões, neste momento.
Vou me recolher, ouvir música, ler, buscar algum acalento.

Tem um bichinho, em meu coração fazendo ninho.
Um desassossego, inebriante.

Estou me analisando e conseguindo não chegar à nenhuma conclusão.
Penso em pedir socorro, mas seria em vão.

Se perguntarem o que me falta, talvez me falte a voz.
Acredite, não sei não.

É tanto vazio, que o eco ressoa forte.
Uma ausência sentida, doída, sofrida.

Emaranho-me nessa teia tênue.
Querer e não ter.
Ter e não manter!

Cristiane, realmente perdida.




Não sonhei com você...



Juro que tentei.
Antes de deitar, revirei o baú de fotos.
Vi uma a uma...
Quase chorei.

Fui até sua gaveta, vazia...
Nenhum pijama, nenhum par de meias.
Quase chorei.

Sabe aquela gargantilha, que você me deu?
Mesmo com roupa de dormir, fui lá  e coloquei.
Olhei no espelho, me veio lembranças, algumas boas...
Quase chorei.

Deitei-me...
Na gaveta do criado mudo, peguei aquela venda.
Aquela que vivi com ela, a maioria do tempo que fiquei com você.
Sim, aquela que me livrava da possibilidade de ver.
O que poderia me obrigar, a livrar-me de você.

Adormeci.
Não sonhei com você.
Quase chorei.

Cristiane, quase chorando.


sexta-feira, 12 de julho de 2013

Mais que isso...



Que a vida seja, mais que isso.
Mais que promessas, mais ou menos cumpridas.
Mais que verdades, induzidas.

Mais que,  indiretas dirigidas.
Desculpas, ao léo deferidas.

Que, predomine as verdades.
Opto por dores verídicas.
Saber-se há, pelo que sofrer.

Que faça-se realidade, o nosso desejo.
Faz-se necessário entender...:
Importa-me, o meu querer!

Deseja-se um tanto mais de cuidado.
Um pouco mais de atenção.
Um olhar mais específico, jamais menos ousado.

Cristiane, desejando mais.


quinta-feira, 11 de julho de 2013

Trato.



Façamos assim, atravesse a rua.
Eu finjo que não te vi!

Só responderei o que me pergunta.
Prometa  não caçar assunto.

Não me atenda na primeira, chamada.
Eu vou me esforçar, para continuar dizendo não.

Se por acaso não agüentar, peça desculpas e pode desligar.
Prometo não questionar.

Vamos nos esforçar.
Longe esta difícil...
Mas perto, pode piorar!


Cristiane, tentando.


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Parte Oito ( de coisas à te dizer)


 

Deixe-me quieta, não faça alarde.
Acredite meu peito, ainda arde.

Agora que tenho paz.
Não perturbe, não ouse, não me tente.
Ainda, estou em reconstrução.

Nada que me diga, será relevado.
Nada, do que você  não consiga, será perdoado.

Se procura motivos, posso dar-lhe muitos.
Mantenha distância, acredite em mim, é mais seguro.

Arme-se com toda a coragem que teve de ir.
Defenda-se de mim, com toda a covardia que teve, quando decidiu não ficar.

Cristiane, com a ferida aberta

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Aquietando-se!



Tem-se o momento do silenciar.
Do nada dizer, engolir seco, remoer.

Esforço-me para amadurecer.
Digerir, não enlouquecer.

Leio-te, creia chego à escutar-Te.
Calo-me, sufoco, finjo não ver.

Opto por segurar-me, já usei desta arma.
Enraiveci, mas não morri.

É crença antiga, que quanto mais se debate...
...menos se instiga.

Consciente, me digo não é pra ti.
Inconsciente, quero bulir.

Cristiane, exercitando o ficar quieta.



terça-feira, 11 de junho de 2013

Acredite.




Eu amo desde menininha.
Depois que aprendi ler...
Tive um namorado por dia.

Promiscua, jamais... e se o fosse
Culpa minha não seria.

Gosto da ficção, de poesia.
Filmes românticos e letras de músicas tristes...
Levam-me do êxtase à histeria.

Esses autores influenciam-me!
Sofro de amor todos os dias!

Cristiane, amando

Lembranças!



Não há nenhuma memória em mim, da qual não se interligue à paixões tórridas.
Dias de euforia, muitos destes dias... coração em disritmia.
Boca seca, depois bem molhada por Sua saliva.
Promessas, cobranças, meu corpo no Dele à noite, brigas durante o dia.

Já se foi tanto suor, que quando vinham as lágrimas, eu às confundia.
Pensei tantas vezes: Sofrer era inerente, quanto mais isso se dava...mais eu O amaria.

Em algum momento, passava-me uma brisa de consciência.
Um minuto de sabedoria.
Dava-me a louca, agia.
Botava pingos nos is...findava a baixaria.

Então, chegava-me o inverno.
Meu corpo tremia.
Algumas sensações como inanição, abstinência, casa vazia.

Quando no limite, eu me rendia.
Quando não, Ele me socorria.

Cristiane, lembrando.

Mais um dia 12 de Junho!





Vai tempo,  não me ajusto com meu cupido.
Sim, ainda é o mesmo de antes...
Lerdo.
Vesgo.
Enlouquecido.

Sou persistente, acho que se foi denominado à mim.
Algum porque, deve-se ter.
Mantenho-o!

Seria carma ou masoquismo?
Imprudência, deixar à cargo deste” lesmo”, meus desejos mais íntimos?

Opto por pensar  que lanço a ele, todos os dias um desafio.
Porque todos que me chegam, passo anos me apresentando e um belo dia
Despedindo-me!

Cristiane, tentando acertar o tom!



segunda-feira, 10 de junho de 2013

Parte Sete ( de coisas a te dizer)



Resta um...
...ser
Resta  algo...
...à dizer.

Resta, fechar aquela fresta.
Resta, bater a porta, passar a chave nela.

Resta, um ponto final.
Resta, o dito pelo não dito.

Resta, um peito que vira e mexe, está
...aflito.
Resta, pouco amor próprio.
Resta, orgulho de sobra.

Resta, findar essa trajetória.
Resta, deixar acabar essa história.

Cristiane, restando um!

Parte Seis ( de coisas a te dizer)





Inconstantemente...
Desajustadamente...
Só sei viver de exageros.

Quando me falta algo, eu potencializo.
Sinto vezes mil.
Amo ao cubo.


Passo anos, jurando a tal da saudade.
Praguejando a infidelidade.
Me acabando em chocolate.

Nasci pré disposta ao tudo ou nada.
Quando nada... sofro
Quando tudo...?
- Dissolvo.


Cristiane, pré determinada.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Parte Cinco ( de coisas a te dizer)




Não me venhas com enigmas...
Não tenho a intenção de decifrar-te.
Meu objetivo é devorar-te.

Chega de entrelinhas, de recados cifrados.
Não sou dada à ler contratos.
Eu assino, depois...eu vejo
Depois eu arco.

Em dias como este, em noites como aquelas...
Fica uma urgência, que atropela os bons modos.
Que torna-se desnecessárias, as preliminares.

Hoje, só por hoje, descarto conversas longas.
Palavras rebuscadas.
Dizeres bem alocados.

Não espere o meu aval.
Não deseje o meu sinal.
Não pergunte a hora, não peça licença.
Por favor, chegue com máximo que puder de
Urgência e Indecência.

Cristiane, mas chegue logo!


quinta-feira, 23 de maio de 2013

Parte Quatro ( de coisas a te dizer)




Há quem diga que certos dias, eu devia me calar.
O que talvez os  leve a pensar isso, seja a minha célebre frase ...
- Deixa eu te explicar:

Quando eu cismo de irritar, quando eu não concordo, quando eu vejo que a conversa pode acabar...
Quando eu quero Lhe prender, quando eu quero me soltar.
Ela vem à calhar.
- Deixa eu te explicar:

Sinto um prazer à parte, quando meu enredo te enreda.
Quando vejo seus ouvidos, recusando minha fala e ainda assim seus olhos, aceitando os meus.
Quando meu contexto,  você contesta, quando depois da discussão, tudo vira festa.

Gosto de deitar a língua, falar pelos cotovelos, desenrolar a ladainha, desabafar.
Acho bem excitante, misturar gírias e licenças poéticas.
Usar a língua Portuguesa, contra ela ...  mesma.
Chafurdar no lirismo, até a língua enrolar.
- Deixa eu te explicar:

Disse-se a boca miúda, que quem muito fala, tem pouco tempo pra pensar.
Pasme, quanto mais penso, mais quero falar.
- Deixa eu te explicar:

Dizer, articular, exprimir, proferir, pronunciar, comunicar, conversar, dialogar, discutir, são só algumas das ferramentas que uso para te perturbar.

Cristiane, falando...








quarta-feira, 22 de maio de 2013

Parte Três ( de coisas a te dizer)



Dia destes, devo abrir os olhos sem pensar em você.
Pensando bem, acho que isso está pra acontecer.

Tenho pressentimentos, que me levam a crer.
Em dado momento, não mais lembrarei-me  de você.

Sinto coisas diferentes, ouço vozes diferentes.
Estive com pessoas diferentes e não às comparei à você!

Pasme, você pode até duvidar-me.
Mas agora é fato, estou prestes à te esquecer.

Ontem mesmo, quase não falei de você.
Quase, não pensei em você.

Ontem...
Quase...
Não...
Você!

terça-feira, 21 de maio de 2013

Parte Dois ( de coisas a te dizer)



Não me julgue...
Sou de voltar ao passado.
Remexer gavetas...
Abrir baús.

Remoer dizeres, querer cobrar afazeres.
Volta e meia, me apego às picuinhas antigas.
Vasculho ressentimentos, volto à estaca zero, dos sentimentos.

Guardo cartas, papel de presentes, retratos e mágoas.
De tempos em tempos, reciclo.
Rasgo, boto fogo, direciono ao lixo.

Quando a saudade me cata...
Não tenho forças para correr.
Não desejo resolver.
Emaranho-me nesse tempo curto...que me dou pra sofrer!

Cristiane, sendo clara.

Parte Um ( de coisas a te dizer)



Ontem, quase não dormi.
Semana passada, quase não vivi.

Vai tempo, que ando assim...
Parada, incomodada, aflita.

Levei o dia todo para te escrever...
Para decidir, separar, esmiuçar o que dizer.

Peneirar foi o mais difícil.
Por mim, despejava tudo na integra.
Mas... tenho um consciente, que teima em não submeter-se.

Engasgos à parte.
Queixumes, na fila.
De hoje não passa, hoje se firma.

Cristiane, reprimindo.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Vá...zio!




Noto que me falta algo, quando  ainda pela manhã...
Me pego  enlouquecida no guarda roupas.
Arremessando peças por cima dos ombros.

Falando sozinha, maldizendo o tempo que teima em seguir seu curso.
- Como ousa  passar, quando meu desespero não passa!

Percebo meu estado um tanto mais estranho, que o de costume.
Quando, corro no meio da casa, procurando a escova de cabelo, que está na minha mão.
Grito, xingo, pulo.

- Qual a necessidade de se esconder de mim, porém comigo?!
- O que ganha, me irritando assim?

Em dias assim, ao detectar-me... rezo a ladainha do ...
....acalme-se, acalme-se, Deus por favor... acalme-me!

Grito pra dentro e ouço minha própria voz!
Grito pra fora, você continua mudo, não te escuto.
Tortura sem clemência, um ser humano dado ao transbordo, vazia sentir-se!

Cristiane, estranhando o eco.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Ponto.



Qual a necessidade, de distanciar?
Quando o corpo quer presença...
Toque, te acariciar.

Qual o motivo, do não me falar?
Já que a voz não quer cessar, quer gritar...
Gemer, balbuciar, agonizar.

Fico eu aqui e você lá!?
Ficam nossos corpos, desajeitados em outros leitos.
Fica meu coração, quando te vejo, pulando do peito.


Cristiane, indagando.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

4 ponto 0



Cheguei...catando cavaco, sambando ao som dele.
Sem cirurgias plásticas reparadoras, mas também muitas vezes, sem a vestimenta de caimento perfeito.
Abusei das madeixas de fios ruivos, dourados, acobreados, hoje alguns esbranquiçados.
Sempre gostei de tudo exagerado, quanto mais sobrar, mais posso doar.
Não me incomoda o transbordo, sou dada à dizimas periódicas...amores, saltos,cores de esmaltes, fé, echarpes, bolsas, saúde, amigos e havaianas.
Meus vícios já foram fixos, hoje são itinerantes.
Viajei, fui lá, cá, ali e acolá, quando chegava aqui, era tanto trabalho a me consumir!

Cai e levantei dançando.
Só de marra!
Chorei e voltei a sorrir gritando.
Só de sacanagem!
Desisti e recomecei...
Só por birra!
Fingi que ia e voltei...
Só de picuinha!

Diz os que me amam que, eu soube dosar.
Diz-se a boca miúda, que uma dose é pouco pra eu bebericar!
Gosto de me mostrar, gosto de provocar.

Coleciono derrotas, vitórias, rolhas e planos.
Contabilizo a vida, como quem rouba no truco.
Me favoreço!
Me superfaturo!


Cristiane, estreando idade nova!











Insistentemente....



Há vida em mim...
Uma vida que borbulha, às vezes morna, quase sempre ferve!

Cuido para que o tempero seja ardido, que os condimentos sejam selecionados.
Gosto que após esta degustação, o vício seja  a única opção!

Sou um tipo exótico de mexido variável, assim posso... denominar-me.
Mesmo os meus restos, são proveitosos.

Gosto de ludibriar os olhos alheios, com meus resultados.
No entanto, o melhor é  saber-me feitora  do processo por inteiro... inteira.

Cristiane, com um astral infernal.